Como a limitação da banda larga fixa atingirá a indústria de TI?

15 de Junho de 2016, por Jeferson Sena | Outros
0

Inicialmente é preciso lembrar que vivemos em um mundo totalmente conectado e que o centro dessa conectividade é a rede mundial de computadores e sua malha de comunicação (a World Wide Web). Falar do atual ambiente mundial de negócios sem pensar no seu principal suporte transacional é menosprezar o impacto que isso pode causar ao mercado, totalmente dependente de operações via internet.

O mercado de software tende a adoção de modelos de distribuição como serviço (SaaS) ou soluções Full Web, e mesmo as soluções tradicionais estão cada vez mais dependentes de transações on-line, como por exemplo as movimentações bancárias, as obrigações de controle fiscal, as transações comerciais.
Isso implica em um elevado grau de dependência dos negócios por transações via internet, o que está diretamente ligado à necessidade de consumo de serviços de banda larga pelo mercado em geral.

A limitação de acesso à banda larga fixa afeta duplamente a indústria de software e o segmento de tecnologia da informação: primeiro, as restrições de uso da banda ou o aumento dos custos de manutenção do serviço pode desestimular o mercado consumidor de soluções de TI. Em segundo lugar a indústria que tem se esforçado para evoluir as soluções oferecidas ao mercado, verá todo seu esforço de melhoria de produtos e inovação tecnológica frustrados, frente às limitações do meio utilizado para a entrega dos serviços.

É necessário imaginar como os demais setores da economia serão afetados. Veja alguns casos que já podemos prever, sem muito esforço:

  • Os bancos terão de retomar a construção de agências para atenderem os clientes;
  • O comércio eletrônico terá seus custos altamente impactados ou terão de operar em horário reduzido em função das limitações de trafego em suas lojas;
  • Cursos de EAD perderão milhares de alunos;
  • Setor de segurança pública e privada serão afetados;
  • Serviços de datacenters aumentarão seus custos e muitos pequenos competidores do segmento devem fechar as portas;

Também considero relevante observarmos que serviços como os de telecomunicações, transporte coletivo, concessões de estradas, portos e aeroportos, serviços de saúde, fornecimento de energia, água, tratamento de esgoto, segurança privada, produção de fármacos, produtos químicos, entre tantos, tem seu funcionamento e/ou produção regulados e fiscalizados porque tem um valor social e econômico inestimável e não podem ser simplesmente deixados ao sabor dos ventos do mercado.

Em uma economia globalizada é, cada dia, mais fácil para as grandes corporações transnacionais dominarem os mercados e imporem-se sobre o público consumidor. Mesmo em economias maduras os Estados têm papel importante para impedir que essas organizações ultrapassem os limites do bom senso e preservação dos direitos dos cidadãos.

Sabemos que os serviços de banda larga no Brasil são dos mais caros do mundo. Sabemos que pagamos por aquilo que não consumimos. Sabemos que a infraestrutura é inadequada aos serviços. Portanto, os usuários de banda larga no Brasil já são bastante vilipendiados, na medida que contratam um serviço que nunca lhes é entregue como deveria. Permitir que haja qualquer tipo de limitação no consumo dos serviços é garantir que a extorsão será aumentada. É a imposição de racionamento ao uso da internet.

Já imaginaram viver em um país onde água, energia elétrica, transporte coletivo, serviços de saúde fossem permanentemente racionados? Pois é! Essa é a proposta para a banda larga fixa no Brasil.

É preciso pensar na famosa, antiga e válida, economia de escala. Em qualquer mercado equilibrado, quanto mais consumidores, menor deve ser o preço unitário pago pelo serviço. Isso é da natureza do livre comércio e natural em mercados competitivos. Essa premissa só não se aplica em mercados monopolizados ou oligopolizados, quando pequenos grupos econômicos tende a limitar a oferta para forçar majoração de preços.

Esse é o quadro que envolve a discussão sobre limitação do uso de banda não tão larga fixa no Brasil. A primeira pergunta que me fizeram foi: Quais os argumentos contra a limitação da internet? Na verdade, eu acredito que a questão é: porque as empresas querem limitar? Na minha opinião as respostas são:

  1. Para que as empresas não precisem investir na melhoria da sua, já precária, infraestrutura;
  2. Para que combatam seus concorrentes em outras linhas de negócios, principalmente de entretenimento e datacenters;
  3. Para obrigar a venda de serviços mais caros.

Reafirmo que, sob o aspecto do consumo, a grande limitação está na falta de vontade em investir na infraestrutura. É fato que o mercado está crescendo e que a oferta piora continuamente, principalmente por conta da ampliação das ofertas de serviços web e a precariedade da rede.

Quer ter um panorama mais amplo sobre a qualidade do serviço? Clique aqui.

Sobre o autor:

Jeferson Sena é sócio-diretor da Ninho Desenvolvimento Empresarial, especialista em projetos de organização e reestruturação de empresas, desenvolvimento, implementação e gestão de planejamento estratégico.

Fonte: Originalmente publicado no site da Comunidade Tecnológica de Goiás - COMTEC

O que achou?

Avalie esse artigo:

Deixar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Por favor, preencha todos os campos.



Depoimentos

Na confecção de projetos para captação de recursos é importante somar conhecimentos multidisciplinares, garantindo que o conteúdo do projeto contemple as tecnologias inovadores que serão utilizadas ou criadas durante o desenvolvimento do mesmo.

Fernando Barros de Sá

Assistir

A Decisão Sistemas buscava estruturar a empresa preparando-a para o crescimento. Uma importante etapa do processo era ter uma real visão da situação da empresa, para que fossem definidas ações condizentes com as necessidades da organização.

Almir Firmino da Silva

Assistir

O objetivo da Ninho é criar condições favoráveis e apoiar um conjunto significativo de empresas goianas, de micro e pequeno porte, no desenvolvimento de projetos com foco em inovação, utilizando os programas federais e estaduais de subvenção e financiamento.

Cláudio Henrique de Ávila

Assistir

Clientes

4Parking
Buzzlead
Canion Software
Comtec Goiás
Decisão Sistemas
Funtec
Geoinova
HD Tecnologia
Image Buzz
IPróxima Soluções
Grupo Mancini
Meta Tecnologia
Neokoros
Profit
Resultys
Soluti
Supera
Super Bolla
Totvs Goiás
Trama Digital
Tron
Unyt Arquitetura de Resultados
Way Taxi

Contato


Endereço: Rua 119, nº 64, St. Sul, Goiânia-GO, 74085-420
+55 (62) 3241-2564
contato@ninho.biz