Como criar uma estratégia para crescer na crise

29 de Julho de 2015, por Jeferson Sena | Estratégias
0

 

Estratégia para crescer na crise

Em épocas de crise, a maior dificuldade enfrentada pelos empreendedores é a desaceleração da economia. As previsões desalentadoras geram um processo de contaminação das mentes e todos, como num efeito manada, assumem que a crise se instalou e, tomados por medo, retraem todas as ações de crescimento, mesmo aquelas que estavam funcionando corretamente.

Essa reação em cadeia paralisa a economia e a crise se instala de fato, confirmando o temor das previsões. O mais interessante é que esse fenômeno já é do conhecimento de grande parte do empresariado, mas as pessoas não conseguem se opor a ele, por conta dos encadeamentos que o fenômeno provoca.

As notícias dos meios de comunicação de massa alardeiam condições catastróficas. Aparentemente estamos à beira de um grande colapso da economia brasileira. As grandes empresas tomam medidas extremas e o Governo adota políticas para “salvar” a economia.

Todas as previsões alardeiam que esse será um ano em que não haverá crescimento do PIB brasileiro e isso é a maior evidência da grande dificuldade que o país está vivendo, contudo é preciso lembrar que não crescer não quer dizer que não houve geração de riqueza.

Em 2014 o PIB brasileiro foi R$ 5,512 trilhões (US$ 2,375 trilhões), o que nos posicionou como a 7ª economia do mundo. Em 2015 essa montante deve continuar na casa dos R$ 5,4 trilhões, ou seja, continuamos gerando riqueza, mas talvez não geremos sobras!

Um dos segredos para vencermos a crise, e até crescer na crise, é manter o negócio rentável, mas, nem sempre isso significa manter a rentabilidade que foi alcançada em outros momentos econômicos. Sua empresa está assim? Você consegue faturar mais do que gasta com a sua operação e guardar uma reserva para os dias de crise? É assim que se manterá rentável!

Em momentos delicados para a economia o que mais precisamos é de ações estratégicas inteligentes. As mais básicas são: reforço das ofertas de valor, fortalecimento da marca, estreitamento do relacionamento com os clientes.

Do ponto de vista financeiro é preciso pensar em redução de margens: ganhar um pouco menos para continuar ganhando. Do ponto de vista comercial o melhor é não majorar preços, mas evitar ao máximo a oferta de descontos. Talvez o ideal seja oferecer mais pelo mesmo preço.

Para tomar atitudes corretas acerca do que fazer em um tempo de crise, é primordial que os empreendedores consigam identificar corretamente o fenômeno que está vivendo. É comum tratar a crise como algo inesperado, que ocorre por conta de fatores exógenos, como foi a crise de 2008: Uma anomalia do sistema financeiro americano levou muitas economias mundiais à uma crise econômica séria.

O ciclo da crise

Mas nem tudo ocorre assim, de forma inesperada. As economias capitalistas vivem ciclos econômicos, caracteristicamente com 4 fases: expansão, retração, recessão e recuperação.




Apesar de não podermos determinar corretamente os períodos do ciclo, é possível perceber se a sucessão de fases caracteriza um ciclo econômico. Nesses casos, as ações devem considerar as classificações do ciclo em função das escolas econômicas, o que pode dar uma ideia acerca de sua duração e características.

Nos ciclos de curta duração (de 3 a 10 anos) as causas podem ser originadas por condições sócio-políticas que influenciam as diretrizes econômicas. Essas causas podem decorrer de ajustes fiscais, políticas monetárias ou regulação de renda e consumo.

Nesses casos as empresas devem ter foco no curto prazo e tomar medidas voltadas as suas estratégias comerciais e de finanças, buscando adaptar-se as condições estabelecidas pelas autoridades econômicas. Em geral as ações devem privilegiar a manutenção de mercados, preservação da saúde financeira da empresa e fortalecimento da marca.

Nos ciclos de média duração (de 10 a 20 anos) os movimentos são caracterizados por aumento da produção econômica resultante de investimentos aplicados a setores promissores da economia acompanhados pelo crescimento da renda per capta dos trabalhadores. As crises ocorrem com a saturação do mercado pela ampliação da concorrência combinada com uma redução do consumo.

Para vencer esse tipo de crise é preciso adotar uma visão de médio-longo prazos e estratégias que foquem na identificação dos setores econômicos que estão se beneficiando das mudanças e apostar em ações de fortalecimento econômico e de reposicionamento de mercado, oferecendo soluções e produtos que possam suprir as demandas para a próxima fase de expansão.

Por fim, os ciclos longos (50 anos ou mais) estão relacionados com transformações tecnológicas e culturais, que geram mudanças estruturais nas economias e expansão da produção econômica. Nesses casos as crises decorrem da perda do domínio tecnológico e da capacidade de competição em mercados já dominados, o que implicaria na retração econômica.

Nesse caso, o foco estratégico precisa estar no setor de pesquisa, desenvolvimento e inovação. As ações são de longo prazo e exigirá uma visão empresarial voltada à geração de novos mercados e ao protagonismo empresarial.

Sobre o autor:

Jeferson Sena é sócio-diretor da Ninho Desenvolvimento Empresarial, especialista em projetos de organização e reestruturação de empresas, desenvolvimento, implementação e gestão de planejamento estratégico.

O que achou?

Avalie esse artigo:

Deixar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Por favor, preencha todos os campos.



Depoimentos

Na confecção de projetos para captação de recursos é importante somar conhecimentos multidisciplinares, garantindo que o conteúdo do projeto contemple as tecnologias inovadores que serão utilizadas ou criadas durante o desenvolvimento do mesmo.

Fernando Barros de Sá

Assistir

A Decisão Sistemas buscava estruturar a empresa preparando-a para o crescimento. Uma importante etapa do processo era ter uma real visão da situação da empresa, para que fossem definidas ações condizentes com as necessidades da organização.

Almir Firmino da Silva

Assistir

O objetivo da Ninho é criar condições favoráveis e apoiar um conjunto significativo de empresas goianas, de micro e pequeno porte, no desenvolvimento de projetos com foco em inovação, utilizando os programas federais e estaduais de subvenção e financiamento.

Cláudio Henrique de Ávila

Assistir

Clientes

4Parking
Buzzlead
Canion Software
Comtec Goiás
Decisão Sistemas
Funtec
Geoinova
HD Tecnologia
Image Buzz
IPróxima Soluções
Grupo Mancini
Meta Tecnologia
Neokoros
Profit
Resultys
Soluti
Supera
Super Bolla
Totvs Goiás
Trama Digital
Tron
Unyt Arquitetura de Resultados
Way Taxi

Contato


Endereço: Rua 119, nº 64, St. Sul, Goiânia-GO, 74085-420
+55 (62) 3241-2564
contato@ninho.biz