Não deixe de planejar a ampliação do seu negócio

02 de Março de 2016, por Jeferson Sena | Gestão Empresarial
0

 

Expandir o negócio é o pensamento constante de todos os empreendedores. Todos os dias devemos buscar um meio para aumentar as vendas, e as táticas adotadas para promover esse aumento sempre considera uma forma de expansão dos negócios.

A primeira e mais básica forma de expansão é quando ampliamos a capacidade de venda. Pode ser a ampliação da loja, aumento dos canais de venda direta ou uma estratégia de vendas indiretas. Nesse caso, o principal cuidado deve ser com a capacidade de atendimento da nova demanda. Os clientes, principalmente os antigos, não podem sentir que a expansão prejudicou o atendimento. Ficará a impressão que demos um passo maior do que a perna.

Expandir os negóciosTambém pode ser uma expansão territorial, com a abertura de novas unidades de negócios (filiais ou franquias). Nesse caso é preciso cuidar para que a cultura da organização, o padrão de atendimento e a identidade da empresa sejam preservadas. As pessoas não podem entrar em uma nova loja e achar que está em outra empresa. Se a ideia é usar a nova unidade para renovar a imagem ou adotar uma nova postura de mercado, as mudanças precisam acontecer, também, na unidade atual, de preferência, antes que a nova unidade seja inaugurada.

Se a expansão for por meio da ampliação da atuação para novos nichos de mercado, os novos clientes precisam ter um sentimento de agradecimento ou alívio com a sua chegada. Ao expandir para esse novo nicho é preciso cuidar para que eles se sintam valorizados com sua escolha e os valores entregues devem preencher uma lacuna existente e não apenas ser mais um em meio a muitas opções.

Expandir para novos bairros, novos nichos, outras cidades, estados ou países. Sempre que aumentamos nossa presença para além da base atual estamos expandindo. E um grande receio é: a nossa estrutura suporta isso? O melhor dos mundos é aumentar as vendas sem que isso implique em aumento dos custos fixos e possa afetar suavemente os custos variáveis.Para responder essa questão precisamos avaliar:

  1. Nossa capacidade de produção está ociosa? A primeira avaliação é se o aumento das vendas resultante da expansão pretendida poderá ser suprido pela atual capacidade produtiva. A planta industrial ou a capacidade de serviços consegue atender a demanda extra?Se a resposta for afirmativa significa que há uma capacidade ociosa que poderá ser aproveitada pela expansão. Mas, se a resposta for negativa, é preciso considerar se a expansão agregará resultado suficiente para custear as necessárias ampliações das estruturas de produção (ambiente físico, equipamentos, máquinas, pessoas, etc.).Quando tratamos de plantas industriais, uma consideração extra deve ser sobre a escolha de ampliação da planta atual ou a construção de uma nova planta em outro local e com outros aparatos tecnológicos. Lembrando que a segunda opção pode significar a ampliação de outros setores e recursos, além da produção em si. 
  2. Os processos logísticos atuais suportam a expansão? Primeiro é bom lembrar que processos logísticos envolvem mais do que transporte. Precisamos compreender se o resultado da expansão implicará em aumento da estrutura de armazenagem e movimentação de materiais, se aumentará o deslocamento de pessoas e quais os custos de movimentação envolvidos de forma direta e indireta no processo de produção, venda e entrega dos serviços.
  3. A estrutura de apoio poderá suportar adequadamente a expansão projetada? O ideal é que fosse necessário apenas ajustes na estrutura administrativa para que ela suportasse a expansão. A retaguarda de apoio da empresa, em geral, representa a maior parcela do custo fixo e é sempre bom podermos diluir esse peso por mais unidades vendidas.A primeira recomendação é: centralize tudo que for possível! Replique o mínimo da estrutura administrativa para novas unidades. Assim manterá os custos sob controle.
  4. O time comercial existente pode apoiar a expansão? Sempre que planejarmos a criação de novas unidades de negócio, é preciso considerar quais pessoas do atual time de vendas podem assumir papeis de liderança nas novas unidades. Isso garante a reprodução da cultura de negócios da empresa e gera a oportunidade para o aproveitamento de pessoas que precisam e devem ser promovidas.

Criar um time de vendas completamente novo, por conta da expansão, pode retardar a obtenção de resultados ou criar um ambiente culturalmente distinto. Também, é bom considerar que unidades construídas em novas regiões precisam mesclar pessoas do time antigo com colaboradores locais, que entendam o público local.

Respondidas estas perguntas poderemos avaliar se estamos no melhor momento para desenvolver uma ação de expansão dos negócios. Isso ocorre quando dispusermos de recursos suficientes para suportar o investimento necessário sem comprometer de forma significativa os resultados econômicos e o fluxo de caixa da empresa. 

Planejando o crescimento

Considerando tudo, fica claro que a preparação para o crescimento passa, também, por um planejamento financeiro capaz de suportar esse crescimento. Mas além de contar com recursos financeiros é necessário munir-se de um grande conhecimento sobre o mercado (ou mercados) para podermos planejar como e para onde vamos crescer.

Planejar o crescimento do negócioUm dos grandes problemas ocasionados pelo desconhecimento de mercado é a oferta inadequada de valores aos clientes. Saber o que oferecer ao novo público é fundamental, para que os investimentos realmente ofereçam resultados positivos.

E outro ponto relevante para o sucesso do projeto de crescimento é ajustar os processos de produção e logística para atender a demanda gerada. Se vender, tem de entregar! Caso contrário, o mercado rejeitará o seu negócio. 

Como a expansão tem como objetivo o aumento das vendas, o que deve ser avaliado é se existe demanda ou se é possível gera-la. Sem demanda (ou com demanda reduzida) o objetivo não se cumprirá e todos os esforços serão frustrados.

Também é preciso cuidar para que a demanda seja crescente e, sempre, superior à capacidade de produção e entrega. Nesse aspecto, outro cuidado fundamental é compreender o que é uma demanda reprimida e uma demanda natural do mercado. Demandas reprimidas podem dar a falsa impressão de que a produção precisa ser maior que o necessário, causando um superdimensionamento da estrutura produtiva e desperdiçando recursos. 

Sobre o autor:

Jeferson Sena é sócio-diretor da Ninho Desenvolvimento Empresarial, especialista em projetos de organização e reestruturação de empresas, desenvolvimento, implementação e gestão de planejamento estratégico.

O que achou?

Avalie esse artigo:

Deixar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Por favor, preencha todos os campos.



Depoimentos

Na confecção de projetos para captação de recursos é importante somar conhecimentos multidisciplinares, garantindo que o conteúdo do projeto contemple as tecnologias inovadores que serão utilizadas ou criadas durante o desenvolvimento do mesmo.

Fernando Barros de Sá

Assistir

A Decisão Sistemas buscava estruturar a empresa preparando-a para o crescimento. Uma importante etapa do processo era ter uma real visão da situação da empresa, para que fossem definidas ações condizentes com as necessidades da organização.

Almir Firmino da Silva

Assistir

O objetivo da Ninho é criar condições favoráveis e apoiar um conjunto significativo de empresas goianas, de micro e pequeno porte, no desenvolvimento de projetos com foco em inovação, utilizando os programas federais e estaduais de subvenção e financiamento.

Cláudio Henrique de Ávila

Assistir

Clientes

4Parking
Buzzlead
Canion Software
Comtec Goiás
Decisão Sistemas
Funtec
Geoinova
HD Tecnologia
Image Buzz
IPróxima Soluções
Grupo Mancini
Meta Tecnologia
Neokoros
Profit
Resultys
Soluti
Supera
Super Bolla
Totvs Goiás
Trama Digital
Tron
Unyt Arquitetura de Resultados
Way Taxi

Contato


Endereço: Rua 119, nº 64, St. Sul, Goiânia-GO, 74085-420
+55 (62) 3241-2564
contato@ninho.biz